Macroeconomia e mercado

Notícias

Preço do açúcar fica estável em SP; moagem deve terminar mais cedo

Cepea confirma que expectativa de fim das atividades mais cedo neste ano frente ao anterior.

Os preços do açúcar cristal estão praticamente estáveis no mercado spot em São Paulo, conforme dados do Cepea. Os valores estão na casa dos R$ 45,00/saca de 50 kg desde o início de agosto.

Nos últimos sete dias, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal (mercado paulista), cor Icumsa entre 130 e 180, permaneceu praticamente estável (baixa de apenas 0,02%), fechando a R$ 45,51/saca de 50 kg no dia 18.

Com o clima favorável ao andamento da moagem da cana-de-açúcar, players esperam que as atividades terminem mais cedo neste ano frente ao anterior, principalmente no estado de São Paulo. (CEPEA/ESALQ 19/08/2014)

 

Preço do anidro e hidratado seguem registrando pequenas variações

Com necessidade de liberar espaço nos tanques, usinas continuaram cedendo e negociando a valores mais baixos.

As oscilações nos preços dos etanóis na semana passada foram pequenas no mercado spot paulista, segundo levantamentos do Cepea.

Entre 11 e 15 de agosto, o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado teve média de R$ 1,1988/litro (sem impostos), leve baixa de 0,5% em relação ao período anterior.

Para o anidro, houve ligeiro recuo de 0,6% em igual comparação, com o Indicador semanal fechando na média de R$ 1,3318/l (PIS/Cofins zerados). De acordo com pesquisadores do Cepea, para o hidratado, pesou principalmente a menor demanda. Distribuidoras, por estarem abastecidas, se mostraram mais retraídas.

Já para o anidro, embora o volume negociado no mercado spot na última semana tenha aumentado, os preços efetivados foram inferiores.

Com necessidade de liberar espaço nos tanques, usinas continuaram cedendo e negociando a valores mais baixos. (CEPEA/ESALQ 19/08/2014)

 

COMENTÁRIO MACRO E MERCADO

Mundo

1) O presidente da China, Xi Jinping, prometeu que vai conter as remunerações excessivamente altas dos executivos de alto escalão das empesas estatais. A decisão de Jinping veio em meio à pressão do Partido Comunista contra autoridades do governo, para cortar gastos com carros de luxo, banquetes e móveis caros para diretores de grandes companhias.

2) Em ata, o Banco da Reserva da Austrália (RBA), alertou para um aumento das incertezas com relação às perspectivas econômicas do país, em um cenário de desaceleração do crescimento, enfraquecimento dos investimentos em mineração e taxa de câmbio persistentemente elevada. Alguns economistas defenderam que com este alerta, o RBA sinalizou um aumento no risco de um novo corte da taxa de juros.

3) O superávit em transações correntes da zona do euro caiu para 13,1 bilhões de euros, ante 19,8 bilhões de euros em maio. Segundo a Eurostat, o superávit na balança de bens teve ligeira redução para 11,6 bilhões, enquanto o investimento direto para a região recuou de 10,6 bilhões de euros, para 8 bilhões.

4) O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) do Reino Unido registrou alta de 1,6% em julho na comparação com  mesmo período do ano passado, abaixo da previsão dos analistas, que esperavam aceleração de 1,8%. Na margem, o indicador recuou 0,3%, puxado pelos descontos nas vendas do setor de Vestuários.

5) O déficit público da Argentina atingiu 16.676 bilhões de pesos em junho, o que representa uma alta e 290,8% sob o resultado alcançado no mesmo período do ano passado. Segundo o Ministério da Economia, o gasto público cresceu 56,5% em junho, na comparação anual.

Brasil

1) O Tesouro Nacional tem segurado o repasse de recursos aos bancos federais. Segundo o Valor, além do atraso para os pagamentos de benefícios sociais para a Caixa, o Tesouro está retendo o pagamento de subsídios de financiamentos agrícolas ao Banco do Brasil. Este atraso não causa grandes prejuízos ao BB porque os créditos a receber são corrigidos pela Selic, porém melhora o resultado fiscal no curto prazo, adiando a despesa do Tesouro para os próximos meses.

2) O empresário Pedro Passos, fundador da Natura e presidente do Iedi, defendeu uma revisão criteriosa das desonerações concedidas à indústria. Para o empresário, o único subsídio que deveria ser mantido pelo próximo governo é o de financiamento à inovação.

3) O valor da dívida da Eletrobrás com a Petrobrás, relativa à compra de combustíveis para a geração de energia elétrica na Região Norte, ainda é um impasse entre as duas empresas. O presidente da Eletrobrás reconheceu uma dívida de R$ 4,05 bilhões, enquanto a Petrobrás previu pagamento de R$ 7,2 bilhões. Neste momento, a Eletrobrás negocia o pagamento de R$ 1 bilhão em 85 parcelas, dinheiro que sairá diretamente do seu caixa.

4) Para evitar a pressão inflacionária, o governo deve adiar, mais uma vez, o aumento da carga tributária sob o setor de bebidas frias, que está previsto para o dia 1º de setembro. Técnicos da Receita Federal preveem uma alta de 15% no imposto sobre o setor, mas fontes da equipe econômica avaliam que a tendência é haver um novo adiamento.

5) A segunda prévia do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou queda de 0,35% em agosto, ante recuo de 0,51% em julho, queda maior que a expectativa os economistas, de -0,32%.

6) O cenário permanece negativo e incerto para o comércio neste segundo semestre.  Segundo a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), as vendas no varejo recuaram 0,8% na primeira quinzena de agosto, com relação ao mesmo período de 2013. Além disso, o número de dívidas em atraso cresceu 5,2%, na mesma base de comparação.