Macroeconomia e mercado

Notícias

Vem aí um novo concorrente para o etanol

Trata-se da gasolina renovável, obtida a partir de produto gasoso do combustível fóssil.

Vem aí uma nova ameaça ao etanol: a francesa Global Bioenergies e a alemã Audi anunciam a chegada da gasolina renovável.

A novidade foi apresentada em 21/05 durante conferência para a imprensa em Pomacle, vila localizada nas proximidades de Marne, conhecida por sediar polo tecnológico de biocombustíveis e onde está instalado o centro de tecnologia e biorrefinaria ARD. 

O primeiro lote de gasolina renovável, chamada de isooctane, foi produzida após pesquisas  na planta industrial-piloto Pmacle-Bazancourt, e foi entregue para a empresa química Arkema no comecinho de maio. 

O produto passa por nova etapa de desenvolvimento. Após passar pela Arkema, está agora no Instituto Fraunhofer da refina Leuna, perto de Leipzig, na Alemanha, onde a Global implanta usina. 

Mas o que é isooctane?

Trata-se de um aditivo atualmente utilizado para melhorar a qualidade da gasolina e que também poderia ser usado como um combustível.

Conforme a Global, o isooctane é o padrão da qual foi definida a octanagem. Em sua forma pura ia ser rotulado ‘100 sem chumbo’.

Além da qualidade do combustível, a tecnologia da Global, segundo a empresa, apresenta a grande vantagem que o processo de fermentação produz um produto gasoso que está sendo dispensado da fase líquida por evaporação espontânea.

Para Marc Delcourt, CEO da Global, este primeiro lote de gasolina renovável “é um marco histórico.”

“É o pontapé inicial de um nova, grande escala e descentralizada da indústria que respeita o meio ambiente e gradualmente substituirá hidrocarbonetos fósseis tradicionais”, disse.

Não há informações sobre a chegada da gasolina renovável ao mercado, nem sobre custos de produção. (Jornal Cana 26/05/2015)

 

ADM cogita venda de usina no Brasil

Empresa sinaliza redução de participação no mercado de açúcar.

A Archer Daniels Midland Co, conhecida pela sigla ADM, sinaliza possível redução no setor de açúcar. Movida pelos diversos problemas vividos na cadeia da commodity, a empresa que já reduz sua participação no comércio de açúcar, pode vender os ativos existentes no Brasil.

Fontes confirmaram à agência de notícias Reuters que a empresa pretende encerar suas atividades no Brasil. Com usina em Limeira do Oeste (MG), cuja a produção é destinada 100% a produção de etanol. A unidade possui capacidade total de moagem próxima de 1,5 milhões de toneladas por ano.

O movimento fortalece o desaquecimento do setor canavieiro mundial, pressionando empresas a repensar seus investimentos neste. (Jornal Cana 26/05/2015)

 

EUA mira o Japão para vender mais etanol

Missão americana está nesta semana em Tóquio.

Missão formada por representantes da Associação de Combustíveis Renováveis (RFA, na sigla em inglês) está nesta semana em Tóquio para participar de uma série de encontros com executivos e representantes de órgãos do governo japonês.

Objetivo da missão americana: encontrar estratégias para impulsionar as exportações do etanol feito nos EUA para o mercado japonês.

A missão tem apoio de coordenação da RFA, por meio da diretoria de assuntos regulatórios. Kelly Davis, diretor da pasta, integra o grupo em Tóquio.

Os EUA se antecipam às mudanças na política energética do Japão para negociar mais venda de etanol

O trabalho da missão não está apenas em vender galões de etanol de milho para o Japão. Os americanos antecipam-se à revisão completa das políticas energéticas nacionais, que o governo japonês irá realizar em 2017, e querem abrir oportunidades para o biocombustível americano.

Por isso, de forma planejada, a missão dos representantes do etanol americano está em negociação com os japoneses.

O Japão é tradicional comprador de etanol, inclusive do Brasil, para fabricação de bebidas e de produtos industriais e focados em limpeza. Com a revisão, em 2017, o mercado japonês pode abrir oportunidades também para o etanol combustível.

A missão americana, por exemplo, foca o E10, mistura de 10% de etanol em 90% de gasolina.

Em 2014, os EUA produziram 14,3 bilhões de galões, ou 52,9 bilhões de litros, conforme levantamento da RFA.

As exportações de etanol americano em 2014 somaram 825 milhões de galões, ou 3 bilhões de litros, segundo a RFA.

As exportações foram para 51 países, dos quais o Canadá foi o maior cliente, com 43% das importações, seguido do Brasil, com 13% do total. O Japão não é citado na lista dos principais importadores do biocombustível. Mas agora os Estados Unidos querem ampliar essa participação. (Jornal Cana 26/05/2015)

 

Usina Colorado leiloa veículos nesta sexta-feira

São 93 lotes com veículos leves a até tratores John Deere.

A Usina Colorado, de Guaíra (SP), do Grupo Colorado, realiza leilão de veículos e máquinas agrícolas na próxima sexta-feira (30/05). São 93 lotes e os lances iniciais vão de R$ 7,5 mil, para veículos leves, a R$ 11 mil, no caso de máquinas agrícolas como tratores e carregadeiras.

“O leilão é realizado para renovação de parte da frota ainda não trocada”, diz Fernando Daur, responsável pela venda de ativos da Colorado.

O leilão será realizado através da internet, por empresa especializada localizada na capital paulista, mas os veículos colocados à venda podem ser visitados na própria usina. “Basta ligar e agendar comigo”, diz Daur. O telefone dele: (17) 3330-3343. E-mail: fernando.daur@colorado.com.br. (Jornal Cana 26/05/2015)