Macroeconomia e mercado

Notícias

Syngenta não acredita que o MPB irá substituir o cana-tolete, mas sim o plantio da sementevoltar

Leandro Amaral, diretor de Marketing Cana-de-açúcar, conta que, quando a Syngenta recolheu o Plene para a fase de pesquisa, criou a plataforma de plantio Plene. “Entre 2011/12 criamos dois produtos, um deles é uma muda de meristema chamada Plene Evolve para plantio de viveiro pré-primário para introdução de novas variedades com alta sanidade genética. E na sequência, criamos a muda pré-brotada, Plene PB. “Mas não acreditamos em plantio comercial com MPB. Acho que ao médio prazo vão surgir máquinas semiautomatizadas com um operador para alimentar três linhas, com um nível de eficiência maior, mas que ainda não terão nível de exigência compatível para plantio normal”, diz Leandro.

Então quer dizer que o plantio de cana-tolete continuará presente no futuro do setor? “De jeito algum, o plantio de cana-tolete precisa acabar e logo, pois é caro e ruim. Hoje custa R$ 7 mil por hectare, demanda muita muda, muita mão de obra e o resultado não é bom. Para a Syngenta, o futuro é o plantio da semente da cana”, salienta Leandro. Tecnologia apresentada pela empresa em 2014, o Plene Emerald (esmeralda). (Cana Online 10/06/2015)

 

BR Distribuidora está longe da sua melhor forma

Justo no momento em que a Petrobras prepara a abertura de capital da BR Distribuidora, a subsidiária passa por um período de baixa octanagem. A companhia convive com perda de receita, atritos com revendedores e o risco de defecções em série em sua rede de postos.

As vendas da BR teriam recuado 15% nos quatro primeiros meses do ano em relação a igual período em 2014, em alguns estabelecimentos, a queda seria de 20%. A comparação com a concorrência é desfavorável à estatal: no mesmo período, Shell e Ipiranga, por exemplo, cresceram 5%.

Os maus resultados funcionam como um fósforo aceso próximo a uma poça de gasolina. O combustível em questão são as divergências entre a BR e seus revendedores. Desde o ano passado, a estatal tem apertado os postos na renegociação

dos contratos, carregando a mão no aumento dos royalties pelo uso de sua marca.

Com a queda das vendas e das margens operacionais, o clima de tensão teria se acentuado. Alguns revendedores de maior porte ameaçam romper o contrato com a BR e trocar de bandeira. Segundo o RR apurou, um único grupo de São Paulo, dono de mais de duas dezenas de postos, já estaria em negociações com a Shell. Normalmente, movimentos como este têm duas conseqüências: ou a distribuidora de combustíveis rapidamente acusa o golpe, recolhe os punhos e renegocia as condições contratuais ou acaba sendo vítima de um efeito manada: cada rede de postos que vira-casaca acaba estimulando outros representantes a fazer o mesmo.

Ressalte-se que nada muda nos planos da Petrobras: o IPO da BR vai sair. Mas, logicamente, ao preço das circunstâncias, leia-se com um inevitável desconto no valuation da empresa. É do jogo. Resta à estatal reduzir o tamanho do prejuízo.

As diretorias da Petrobras e da BR têm trabalhado em conjunto na busca por explicações e soluções para o mau desempenho da distribuidora nos últimos meses. A caça às bruxas já teria encontrado alguns culpados: a queda dos investimentos no treinamento de funcionários; perda de qualidade no atendimento e conseqüente aumento do número de reclamações por parte dos clientes, o que gera uma propaganda boca a boca às avessas; performance opaca das lojas BR Mania, que não estariam cumprindo a contento o papel de atrair consumidores para os postos de combustíveis.

Acredite quem quiser: sobrou até para a Lava Jato.

Segundo informações filtradas junto à Petrobras, a partir de pesquisas de opinião, a estatal identificou que uma parcela da queda das vendas da BR se deve à reação dos próprios consumidores, que associam a distribuidora aos escândalos de corrupção na petroleira e, por essa razão, passaram a abastecer em outros postos.

Na empresa, pasmem, haveria até mesmo registros de frentistas que afirmam terem sido chamados de “ladrão” por clientes mais exaltados. (Jornal Relatório Reservado 10/06/2015)