Macroeconomia e mercado

Notícias

Monsanto deverá rejeitar oferta de aquisição pela Bayer, dizem fontes

A Monsanto rejeitará uma oferta de aquisição feita pela Bayer de 62 bilhões de dólares e buscará um preço mais elevado, afirmaram duas pessoas familiarizadas com o assunto nesta terça-feira.

Embora a Monsanto veja lógica industrial em uma combinação com a Bayer e acredite que um acordo seja aprovado por reguladores antitruste, a empresa também tem confiança no seu plano independente e avalia que acionistas merecem uma melhor oferta, disseram as fontes, que pediram para não ser identificadas porque as deliberações sobre o assunto são confidenciais.

A companhia de medicamentos e agroquímicos alemã informou na segunda-feira que ofereceu 122 dólares por ação da Monsanto. Não estava claro o valor que a Monsanto estaria disposta a aceitar.

A Monsanto e representantes da Bayer não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Após a notícia exclusiva da Reuters, as ações da Monsanto operavam com ganhos de mais de 3 por cento, por volta das 12:20 (horário de Brasília).

(Reportagem de Greg Roumeliotis, em Nova York; com reportagem adicional de Mike Stone em Nova York e Pamela Barbaglia e Lina Saigol em Londres). (Reuters 24/05/2016)

 

Commodities Agrícolas

Açúcar: Instável como o Brasil: Após um pregão de intensa volatilidade, os preços do açúcar demerara na bolsa de Nova York encerraram o dia em queda ontem. Os papéis com vencimento em outubro fecharam a 16,96 centavos de dólar a libra-peso, recuo de 13 pontos (0,76%). Em nota, a trading Sucden Financial destacou que as expectativas com o anúncio de políticas para sanar as contas públicas no Brasil foram fatores de instabilidade para o mercado. As medidas divulgadas foram bem recebidas, causando queda do dólar e alta das cotações pouco antes de o pregão fechar. As vendas técnicas realizadas por fundos, no entanto, ditaram os preços finais. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 76 a saca de 50 quilos, queda de 0,41%.

Cacau: Perspectivas positivas: Novas perspectivas de melhora do clima no oeste da África voltaram a pressionar as cotações de cacau ontem na bolsa de Nova York. Os papéis com vencimento em setembro encerraram o pregão a US$ 2.964 a tonelada, queda de US$ 3. Segundo o governo de Gana, o país deve produzir 900 mil toneladas da amêndoa na próxima safra 2016/17. Embora a produção na safra atual, a 2015/16, seja 50 mil toneladas inferior à previsão inicial de acordo com as estimativas mais otimistas, a normalização do regime de chuvas e o crescimento da produção no oeste da África na próxima safra são dados como certos pelos investidores. Em Ilhéus e Itabuna (BA), o preço médio do cacau ao produtor subiu 1,30%, para R$ 155 a arroba, segundo a Central Nacional de Produtores de Cacau.

Algodão: Clima irregular: Os preços futuros do algodão registraram alta ontem na bolsa de Nova York em meio a irregularidades no plantio dos Estados Unidos e atrasos no regime de chuvas na Ásia. Os contratos com vencimento em outubro fecharam o pregão a 63,23 centavos de dólar a libra peso, alta de 112 pontos (1,80%). No caso dos Estados Unidos, uma seca no Texas e o excesso de chuvas no delta do Mississipi atrapalham o avanço do cultivo de algodão. Segundo levantamento do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o plantio no país atingiu 46% da área estimada até o último dia 22, abaixo da média histórica de 54%. No mercado interno, o indicador diário Cepea/Esalq para o algodão, com pagamento à vista, ficou em 267,91 centavos de real por libra-peso, recuo de 0,04%.

Soja: Avanço no plantio: Os contratos futuros de soja registraram queda ontem na bolsa de Chicago na esteira da divulgação do levantamento semanal do plantio nos Estados Unidos pelo Departamento de Agricultura do país (USDA). Os papéis com vencimento em agosto fecharam o pregão a US$ 10,53, recuo de 4,75 centavos (0,45%). Segundo o USDA, o plantio da oleaginosa chegou a 56% da área prevista para o cultivo no país durante a semana móvel encerrada no último dia 22, o que representa um avanço de 20 pontos percentuais em relação ao levantamento da semana anterior. Assim, os trabalhos estão adiantados na comparação com a média histórica para o período, de 52%. No mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa para a soja em Paranaguá ficou em R$ 88,65 a saca de 60 quilos, alta de 0,84%. (Valor Econômico 25/05/2016)