Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Açúcar: Ajuste técnico: Os contratos futuros do açúcar demerara registraram queda ontem na bolsa de Nova York após um movimento de ajuste técnico. Os papéis com vencimento em outubro fecharam o pregão a 19,42 centavos de dólar a libra-peso, recuo de 22 pontos. Do dia 13 de abril ao último dia 9 de junho o valor dos contratos saltou de 14,55 centavos de dólar a libra-peso para 19,94 centavos de dólar a libra-peso, o que, segundo alguns analistas, indicariam que os contratos estão sobre comprados e suscetíveis a uma correção. No Brasil, o fim das chuvas tende a normalizar a colheita e o processamento da cana, o que também pressiona as cotações. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 84,10 a saca de 50 quilos, aumento de 1,19%.

Café: Realização de lucros: A diminuição do risco de geadas na região Sudeste do Brasil gerou uma correção dos preços dos contratos do café arábica na bolsa de Nova York ontem. Os papéis com vencimento em setembro fecharam o pregão cotados a US$ 1,3705 a libra-peso, recuo de 225 pontos. "Os dias com previsão de mais frio foram de domingo para segunda e de segunda para terça. Como não houve a ocorrência de geada em Minas Gerais e outras regiões produtoras, o mercado realizou hoje os lucros e corrigiu a alta das últimas sessões", explicou Roberto Costa Lima, analista da corretora Terra Investimentos. A recuperação do dólar ante o real também pressionou o valor dos contratos. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o café arábica ficou em R$ 486,32 a saca de 60 quilos, recuo de 0,35%.

Soja: Boa safra nos EUA: A perspectiva de boas condições da safra de soja nos Estados Unidos pressionou a commodity ontem na bolsa de Chicago. Os contratos com vencimento em agosto fecharam o pregão a US$ 11,66 o bushel, recuo de 3 centavos. De acordo com relatório de acompanhamento de safra divulgado na segunda-feira pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), 92% da área esperada para a oleaginosa já havia sido semeada até o último dia 12, acima da média histórica para o período, de 87%. Do total plantado, o USDA considera que 74% estão com qualidade boa ou excelente, um recorde de acordo com a consultoria Zaner Group. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para soja em Paranaguá ficou em R$ 97,61 a saca de 60 quilos, alta de 0,10%.

Trigo: Risco climático: A perspectiva de tempo seco no Meio-Oeste dos Estados Unidos deu suporte às cotações do milho na bolsa de Chicago ontem. Os papéis com vencimento em setembro fecharam o pregão cotados a US$ 4,4175 o bushel, valorização de 6,25 centavos. As previsões climáticas apontam chuvas irregulares nos próximos 15 dias no Meio-Oeste do país, onde está localizado pelo menos um terço do "cinturão do milho" americano. Com a perspectiva de menor oferta do grão na América do Sul, redirecionamento de parte da demanda internacional para os Estados Unidos e redução dos estoques mundiais, o risco climático tem causado nervosismo entre os investidores. No mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 52,80 a saca de 60 quilos, recuo de 0,92%. (Valor Econômico 15/06/2016)