Macroeconomia e mercado

Notícias

Monsanto rejeita nova oferta da Bayer, mas mantém porta aberta para negociações

A companhia norte-americana de sementes Monsanto rejeitou uma nova oferta de 125 dólares por ação feita pela Bayer, mas disse que está aberta a continuar negociações com o grupo alemão de químicos ou com outras partes.

A Monsanto disse nesta terça-feira que seu conselho foi unânime ao ver a nova e melhorada proposta da Bayer como "financeiramente inadequada e insuficiente para assegurar o negócio".

"A Monsanto segue aberta a conversas contínuas e construtivas com a Bayer e outras partes para avaliar se uma transação que o Conselho acredite que seja do melhor interesse dos acionistas da Monsanto poderá ser realizada", disse a companhia.

A Bayer elevou sua oferta em 3 dólares por ação na última quinta-feira, tornando a proposta de 125 dólares por ação a maior em dinheiro de que se tem registro. Ela também ofereceu uma taxa de 1,5 bilhão no caso de o negócio não ser aprovado pelos órgãos antitruste. (Reuters 19/07/2016)

 

Agrônomos apostam na internet para difundir tecnologia agrícola

Depois de organizarem dias de campo e ganhar apoio de instituições de pesquisa, paranaenses miram agora em congresso online gratuito.

Os técnicos e produtores rurais brasileiros têm uma nova fonte de informações. O Portal Ciência do Solo (www.cienciadosolo.com.br), plataforma criada por um grupo de engenheiros agrônomos paranaenses, se transformou em um dos primeiros veículos de educação à distância voltado ao agronegócio. No Portal, são oferecidos cursos e congressos técnicos de forma online, permitindo aos participantes flexibilidade para acessar o conteúdo de onde estiverem, seja na fazenda, no escritório, em viagens ou em sua casa.

Fundado em 2010, o Portal Ciência do Solo inicialmente possuía o formato de site para a divulgação de resultados de pesquisa e de dias de campo realizados em sua área experimental própria, no Norte do Paraná. Esses Dias de Campo ganharam apoio de instituições como a Embrapa Soja, ESALQ/USP, UNESP e Fundação MT.

Em 2015, os empreendedores perceberam que poderiam utilizar a plataforma para expandir seu público e criar um negócio. “Tivemos que transferir um Dia de Campo da fazenda para um auditório porque choveu. No auditório, o espaço era limitado, tentamos restringir o público a 200 pessoas, mas no dia do evento apareceram 260 produtores rurais. Ficamos felizes pela valorização do nosso trabalho, mas insatisfeitos por não conseguir acomodar com conforto todo o pessoal. Então notamos que para atingir um público maior, o uso da internet poderia nos dar velocidade e escalabilidade, explica Luiz Tadeu Jordão, fundador da plataforma, que atualmente conclui doutorado em Purdue University, Indiana, EUA.

A nova fase do Portal Ciência do Solo está sendo marcada pelo lançamento do 1º Congresso Brasileiro Online de Agricultura, que ocorrerá entre os dias 7 e 13 de agosto, com 33 palestras gratuitas em vídeo, com datas e horários determinados. O evento, viabilizado com recursos próprios e de patrocinadores, é totalmente gratuito e conta com a participação de pesquisadores renomados no Brasil. Com o tema “Bem-vindo à agricultura do futuro”, o Congresso vai analisar cenários econômicos e tendências de mercado, logística, inovação e tecnologia no agronegócio, manejo do solo e da adubação, sistemas integrados de produção agropecuários e proteção de cultivos.

Segundo Jordão, são muitas as vantagens em organizar um evento desse porte e formato. “Primeiro, não precisa de espaço físico. Isso significa que não tem dificuldade em escolher a cidade para a realização nem ter de se preocupar com deslocamento de palestrantes, por exemplo. Sem contar no conforto e flexibilidade aos participantes que podem assistir ao congresso de onde estiver, via computador, tablet ou smartphone", afirma Jordão.

Inscrição fácil

Para participar, é preciso apenar cadastrar um e-mail válido e aguardar uma mensagem da organização confirmando a inscrição. O e-mail funcionará como login do usuário para assistir as palestras. Em cada dia do Congresso, os participantes receberão mensagens com aviso do horário e tema a ser abordado. O 1º Congresso Brasileiro Online de Agricultura conta com o patrocínio prata da Fortgreen e bronze da Produquímica.

Serviço

1º Congresso Brasileiro Online de Agricultura é gratuito, mas as vagas são limitadas. O evento será realizado entre os dias 7 e 13 de agosto na plataforma online do Portal Ciência do Solo www.cboa.com.br. A programação se inicia às 15h (Brasília) do dia 7. (CBOA 19/07/2016)

 

Petrobras avalia reformular oferta da BR Distribuidora

A Petrobras está inclinada a refazer o processo de venda de fatia da subsidiária BR Distribuidora, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto, após uma recente rodada de ofertas recebidas ter colocado um preço baixo pela unidade de distribuição de combustíveis.

Segundo a fonte, que pediu para não ser identificada porque as negociações ainda estão em andamento, discussões preliminares do Conselho de Administração e da direção da estatal têm convergido para um compartilhamento do controle da BR Distribuidora a fim de obter maior valor no negócios.

O plano inicial de vender uma fatia minoritária possivelmente foi um dos principais motivos para as ofertas recebidas decepcionantes, disse a fonte.

Para iniciar o processo, a Petrobras precisa primeiro informar às três empresas que participaram da segunda rodada de ofertas no mês passado que a estrutura do negócio irá mudar, destacou a fonte.

As 30 empresas que participaram da primeira rodada podem ser convidadas a avaliar o novo modelo de proposta, disse a fonte.

A Petrobras disse na segunda-feira, em comunicado ao mercado, que não há, até o momento, nenhuma deliberação por parte da diretoria executiva ou do Conselho de Administração sobre a modalidade de venda, visando o compartilhamento de controle.

A assessoria de imprensa da Petrobras disse que não tinha outras informações para acrescentar ao comunicado da véspera.

O novo presidente da Petrobras, Pedro Parente, que foi nomeado para o posto em junho, planeja vender ativos e reduzir dívida sem abrir mão de unidades que geram receita e são essenciais para as atividades da companhia.

A Reuters relatou em março que a gestão anterior avaliava vender o controle da BR Distribuidora, depois de não conseguir garantir lances por uma participação minoritária na companhia.

As discussões irão definir o modelo de negócio que possa garantir o maior valor à BR Distribuidora, maximizando lucros e dividendos da Petrobras, disse a fonte.

Um mecanismo de partilha de controle na qual a Petrobras cederia o controle votante da BR Distribuidora foi amplamente utilizada no passado por empresas estatais, como o Banco do Brasil.

Segundo a fonte, a grande divergência nas avaliações levaram o Conselho e a equipe de Parente a rever os planos para a BR Distribuidora.

A Petrobras busca uma precificação da BR Distribuidora, que faturou 118 bilhões de reais no ano passado e possui a maior rede de postos de combustíveis do país, entre 30 bilhões e 40 bilhões de reais, segundo a fonte.

No processo de junho, as ofertas recebidas avaliaram a companhia entre 10 bilhões e 15 bilhões de reais, também segundo a fonte.

As três ofertas que a Petrobras vinha avaliando eram da trading de commodities Vitol e das empresas de investimentos GP Investments e Advent International, segundo a fonte.

GP Investments e Advent não comentaram. A Vitol não respondeu a ligações feitas para sua assessoria de imprensa em Londres.

A venda de parte da BR Distribuidora integra um amplo programa de desinvestimentos da Petrobras, que pretende levantar 14,4 bilhões de dólares. (Reuters 19/07/2016)

 

Commodities Agrícolas

Café: Por Perdas em NY: As cotações do café arábica registraram queda ontem na bolsa de Nova York, pressionadas pelo avanço da colheita no Brasil e a melhora climática na Ásia. Os contratos com vencimento em setembro encerraram a sessão a US$ 1,4655 por libra­peso, em baixa de 290 pontos em relação à véspera. Se no Brasil o clima seco tem favorecido a colheita de arábica, na Ásia as chuvas de monções acima da média geram expectativas de uma recuperação parcial da próxima safra de robusta no Vietnã. Uma nova onda de aversão a risco no mercado, com a consequente alta do dólar em relação ao real, também colaborou para a retração dos preços. No mercado doméstico, a saca de 60,5 quilos do café de boa qualidade saiu entre R$ 540 e R$ 560, segundo o Escritório Carvalhaes, de Santos.

Algodão: Correção técnica: Num pregão em que os preços demoraram a encontrar um direcionamento, os contratos futuros de segunda posição de entrega (dezembro) do algodão fecharam em baixa de 68 pontos ontem na bolsa de Nova York, a 73,27 centavos de dólar por libra­peso. Do dia 12, quando o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) reduziu suas estimativas para estoques e produção mundial da pluma, até sexta­feira, esses papéis acumularam alta de 9,6%. Desde segunda-feira, no entanto, a pluma passa por uma correção técnica, amplificada ontem por uma nova onda de aversão a risco. Nas principais praças de Mato Grosso, a arroba saiu entre R$ 78 e R$ 81, conforme levantamento do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea/Famato).

Soja: Safra e risco: O otimismo em relação à produção americana nesta safra 2016/17 e a onda de aversão a risco que dominou os investidores determinaram a queda das cotações da soja ontem na bolsa de Chicago. Os papéis para entrega em setembro caíram expressivos 35,75 centavos de dólar, para US$ 10,3925 por bushel. A confiança em relação à produção dos EUA cresceu com novas estimativas do Departamento de Agricultura do EUA (USDA) sobre as condições das lavouras do país, ao passo que o pessimismo dos investidores veio após o FMI reduzir suas previsões para o crescimento econômico global. No Paraná, a saca de 60 quilos saiu, em média, a R$ 75,71, 0,83% menos que na véspera, segundo o Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura do Estado (Deral/Seab).

Milho: Nova previsão: Uma nova mudança nas previsões climáticas para o Meio-Oeste dos EUA mudou o rumo das cotações do milho na bolsa de Chicago ontem. Os papéis com vencimento em dezembro fecharam o pregão a US$ 3,485 por bushel, queda de 14,75 centavos de dólar. Os preços da commodity vinham sendo sustentados pela perspectiva de seca no fim de julho e início de agosto, auge da fase de polinização do grão. Ontem, no entanto, os boletins meteorológicos apontaram que o calor deve se dissipar ao longo do fim de semana, reduzindo as especulações sobre os impactos na safra americana. O maior pessimismo com a economia mundial também pressionou os contratos. No mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 45,91 a saca, alta de 2,53%. (Valor Econômico 20/07/2016)