Macroeconomia e mercado

Notícias

Petrobras aprova venda da Liquigás para a Ultragaz por R$ 2,8 bilhões

A Petrobras fechou a venda da distribuidora de gás de cozinha Liquigás para o grupo Ultra por R$ 2,8 bilhões. O anúncio foi feito nesta quinta (17) pelas companhias.

A operação faz parte do chamado "plano de desinvestimentos" da petroleira, que tem como objetivo reduzir seu endividamento. A meta da companhia é se desfazer de US$ 34,6 bilhões em ativos até 2019, cerca de R$ 118 bilhões pela cotação atual.

Com a venda da Liquigás, a arrecadação total com o plano chega perto de US$ 11 bilhões, informou a gerente-executiva de desinvestimentos, Anelise Lara Quintão. É o equivalente a pouco mais de 70% da meta de vendas para o período de 2015 e 2016.

Os recursos dessa operação, porém, só devem entrar no caixa no fim de 2017, prazo esperado para o fim da análise do negócio pelo órgão de defesa da concorrência, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

POTÊNCIA

Com a compra da subsidiária da Petrobras, o Grupo Ultra passará a dominar 45% das vendas brasileiras de GLP (gás liquefeito de petróleo), popularmente conhecido como gás de cozinha. Por essa razão, a operação, que já era esperada, recebe críticas de revendedores do combustível.

Se o negócio for aprovado pelo Cade sem restrições, o mercado brasileiro ficará concentrado em apenas três empresas. Além da Ultragaz, há a Supergasbrás e a Nacional Gás Butano –cada uma detém 20% das vendas.

Diante desse cenário, o contrato de venda fechado com o Ultra repassa ao grupo privado os riscos por quaisquer medidas recomendadas pelo órgão antitruste. Para preservar a concorrência, o Cade pode exigir, por exemplo, a venda de algumas unidades ou a restrição de atuação em algumas áreas.

"A responsabilidade por resolver problemas relativos à questão concorrencial é do Ultra", afirmou Quintão.

SAÍDA

A petroleira já havia declarado sua intenção de deixar por completo a atividade de distribuição de GLP. O plano é se tornar uma empresa mais enxuta e se concentrar no segmento de exploração e produção de óleo e gás.

Além da Liquigás, estão à venda a participação da Petrobras na petroquímica Braskem –onde é sócia da Odebrecht–, em refinarias de petróleo e em unidades de produção de etanol, entre outros empreendimentos.

Em setembro, a Petrobras já havia anunciado um acordo com a canadense Brookfield para a venda da malha de gasodutos do Sudeste por US$ 5,19 bilhões, o que sozinho representava 35% da meta do plano de vendas para 2015 e 2016.

Diferentemente da venda da Liquigás, a expectativa da empresa é que ao menos a primeira parcela dos recursos provenientes da venda da rede de gasodutos, US$ 4,34 bilhões, entre no seu caixa ainda neste ano.

Os US$ 850 milhões restantes serão pagos pela Brookfield em cinco anos. (Folha de São Paulo 17/11/2016)

 

GranBio é novamente reconhecida como empresa Pró-Ética

Pela terceira vez consecutiva, a GranBio, empresa de biotecnologia industrial 100% brasileira, foi reconhecida pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria- Geral da União (CGU) como uma empresa comprometida com a ética. A divulgação oficial das empresas Pró-Ética 2016 ocorreu no dia 16 de novembro, durante a 3ª Conferência Lei da Empresa Limpa, realizada em Brasília.

A iniciativa, criada pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com o Instituto Ethos, tem o objetivo de incentivar as corporações a adotarem políticas e ações necessárias para se criar um ambiente íntegro, que reduza os riscos de ocorrência de fraude e corrupção. A avaliação das empresas inscritas é feita pelo comitê-gestor do Pró-Ética, que leva em consideração diferentes aspectos, como o nível de comprometimento da alta direção e compromisso com a ética, políticas e procedimentos internos de integridade, comunicação e treinamento, canais de denúncia e remediação, análise de risco e monitoramento, entre outros. Os critérios de seleção consideram todos os aspectos da Lei no12.846/2013, a chamada Lei Anticorrupção.

“Ter uma conduta ética, íntegra e transparente está nos princípios da GranBio desde a sua criação. Essa é a base de nossa postura nos negócios e de nosso relacionamento com os públicos interno e externo, na esfera pública e em todos os outros campos em que estamos inseridos. Ser reconhecida pela terceira vez consecutiva, só confirma o nosso comprometimento”, afirma Bernardo Gradin, presidente da GranBio. A empresa obteve o selo pela primeira vez em 2013, com apenas dois anos de existência, a mais jovem a fazer parte da lista.

Em 2016, 195 empresas, de diversos portes e ramos de atuação, manifestaram interesse em participar da avaliação, mas apenas 25 estão na lista de reconhecimento. As companhias aprovadas assinam um Termo de Compromisso com a Ética e a Integridade, documento público que assegura a disposição para construir um relacionamento mais íntegro, ético e transparente com os setores público e privado. (Brasil Agro 17/11/2016)

 

Commodities Agrícolas

Açúcar: Pregão instável: Apesar dos esforços do Banco Central brasileiro para conter a alta do dólar em relação o real, a moeda americana registrou forte oscilação durante o dia de ontem, o que se refletiu nas cotações do açúcar na bolsa de Nova York. Depois de abrir em baixa e subir no decorrer do pregão, os papéis com vencimento em maio fecharam a 19,71 centavos de dólar a libra-peso, recuo de 16 pontos. Os dados de produção divulgados pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) também são fator de instabilidade. A entidade estima que 95 usinas no Centro-Sul encerraram os trabalhos até o último dia 15, o que pode impactar na produção total esperada para a atual temporada. Em São Paulo, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal ficou em R$ 98,32 a saca de 50 quilos, queda de 0,64%.

Algodão: Demanda maior: Mesmo com uma realização de lucros ao longo do pregão de ontem, os contratos futuros do algodão tiveram força para registrar alta na bolsa de Nova York. Os papéis com vencimento em março fecharam a 72,54 centavos de dólar a libra-peso, avanço de 85 pontos. Em nota, a consultoria Zaner Group observou que as previsões de aumento da demanda nos EUA, de menor produção na China e de menor oferta na Índia dão sustentação aos contratos. Na China, maior importador mundial, os contratos da commodity registraram alta de 2,13% na quarta-feira, refletindo a perspectiva de uma menor produção no país e de aumento na demanda internacional. No mercado interno, o preço médio pago ao produtor na Bahia ficou em R$ 84,06 a arroba, segundo a associação de produtores local, a Aiba.

Milho: Vendas crescem: Os sinais de demanda firme pelo milho americano apontados pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) ontem impulsionaram os contratos futuros do grão na bolsa de Chicago. Os papéis com vencimento em março fecharam a US$ 3,4975 o bushel, alta de 3,25 centavos. Segundo o USDA, os americanos fecharam contratos para a venda de 1,661 milhão de toneladas do grão na semana encerrada no último dia 10, alta de 35% sobre registrado na semana anterior e 47% acima da média das quatro semanas anteriores. O órgão também notificou a venda pontual de 106,2 mil toneladas para destinos desconhecidos na atual temporada ontem. No mercado doméstico, o indicador Esalq/BM&FBovespa para o milho ficou em R$ 39,72 a saca de 60 quilos, queda de 1,07%.

Trigo: Menor produção na UE: Além dos sinais de demanda firme pelo trigo americano, a perspectiva de uma menor produção na União Europeia também deu fôlego às cotações do cereal ontem nas bolsas americanas. Em Chicago, os papéis com vencimento em março fecharam a US$ 4,20 o bushel, avanço de 5,75 centavos. Já em Kansas, os contratos de mesmo vencimento fecharam a US$ 4,2575 o bushel, alta de 5 centavos. Segundo a consultoria Strategie Grains, o bloco europeu deve colher 135,7 milhões de toneladas do cereal brando, 200 mil toneladas abaixo do apontado anteriormente. A consultoria também estima uma queda de 1,7% na demanda local por grãos para alimentação animal. No Paraná, o preço médio do cereal ficou ontem em R$ 626,32 por tonelada, valorização de 0,62%, segundo o Cepea. (Valor Econômico 18/11/2016)