Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Açúcar: Alta em Londres: Os contratos futuros do açúcar refinado registraram alta ontem na bolsa de Londres, descolados dos fundamentos, diante do menor volume de negociações em decorrência do feriado de 4 de julho nos EUA. Os papéis com vencimento em outubro encerraram o pregão a US$ 331,60 a tonelada, avanço de US$ 3,20. No ano, porém, os contratos acumulam recuo de mais de 15%. "O problema com o açúcar é o fato de termos uma enorme produção em todo o mundo, mantendo uma pressão sobre os preços, aliada a um dólar americano forte", explicou Michael Seery, da consultoria Seery Futures. O dólar forte eleva as margens dos exportadores, contribuindo para maior oferta internacional. No Brasil, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 57,85 a saca de 50 quilos, queda de 0,65%.

Cacau: Queda marginal: Com forte queda no volume de negociações devido ao feriado de 4 julho nos EUA, os contratos futuros do cacau registraram queda marginal na bolsa de Londres ontem. Os papéis com vencimento em setembro fecharam a 1.798 libras por tonelada, recuo de 1 libra. No total, foram negociados 3.370 contratos nesta quarta-feira, ante 9.849 um dia antes. Nos últimos 20 dias, o cacau ainda acumula alta de 5,52% em Londres, impulsionado pela alta do dólar ante a libra e o euro. A moeda americana mais forte reduz a competitividade da amêndoa na bolsa de Nova York, deslocando parte da demanda mundial para a de Londres. Na Bahia, o preço médio ao produtor de Ilhéus ficou em R$ 160,50 a arroba, queda de 1,83%, segundo a secretaria estadual de agricultura.

Café: Poucos negócios: Os contratos futuros do café robusta registraram leve alta na bolsa de Londres ontem, embora ainda acumulem perdas no ano. Os papéis para setembro fecharam a US$ 1.689 por tonelada, avanço de US$ 4. No ano, porém, acumulam baixa de 1,92%. A alta ocorreu ante o menor volume de negociações por causa do feriado do Dia de Independência nos EUA. Do lado dos fundamentos, a perspectiva de superávit de oferta mundial de café segue pressionando os preços. A estimativa do Rabobank é de excedente de 3,8 milhões de sacas em 2018/19, após déficit de 3,6 milhões de sacas na temporada anterior. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o café conilon no Espírito Santo ficou em R$ 337,95 a saca de 60 quilos, paga à vista, recuo marginal de 0,01%.

Algodão: Pressão da colheita: O indicador Cepea/Esalq para o algodão com pagamento em oito dias registrou queda de 1,27% ontem, cotado a R$ 3,4815 a libra-peso. A desvalorização amplia as perdas observadas em junho, quando o indicador apresentou sua primeira queda mensal desde o início do ano, refletindo o começo da colheita da safra 2017/18. De 30 de maio a 29 de junho, o indicador caiu 3,9%, para R$ 3,6032 a librapeso. Na primeira quinzena do mês, o indicador acumulou alta de 1,1%, e da segunda metade do mês em diante registrou forte queda, de 4,6%. Em seu relatório de junho, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mencionou que as condições climáticas foram favoráveis para o desenvolvimento do algodão e que a redução das chuvas ajudou na frutificação e na maturação. (Valor Econômico 05/07/2018)