Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Açúcar: Realização de lucros: Um movimento de realização de lucros derrubou as cotações do açúcar bruto na última sexta-feira. Na bolsa de Nova York, os contratos futuros com entrega para maio recuaram 16 pontos, cotados a 12,65 centavos de dólar por libra-peso. Os investidores aproveitaram a sexta-feira para embolsar os ganhos do dia anterior, quando as cotações do açúcar subiram fortemente em reação à decisão do Federal Reserve (Fed) de pôr fim ao movimento de alta dos juros. A medida valorizou o real perante o dólar, o que desestimula as exportações do Brasil e, portanto, impulsiona as cotações. No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 69,73 por saca na sexta-feira, alta de 0,8%. No porto de Santos, o indicador Esalq/ BM&F ficou em R$ 69,11, alta de 0,25%.
Soja: EUA x China: O avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China puxou as cotações da soja na sexta-feira. Na bolsa de Chicago, os contratos com entrega para maio subiram 2,25 centavos de dólar, para US$ 9,315 o bushel. Na quinta-feira, após uma reunião com o presidente americano, Donald Trump, o vice-premiê chinês, Liu He, disse que o país asiático compraria 5 milhões de toneladas de soja americana. "É uma indicação de que China e EUA estão finalmente fazendo progresso", afirmou Terry Reilly, da Futures International, ponderando que o volume ainda é pequeno. No Brasil, as preocupações com o andamento da safra seguem no radar, o que também suporte aos preços. Em Paranaguá (PR), o indicador Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 77,31 por saca na sexta-feira, alta de 0,3%.
Trigo: Lavoura gelada: O clima gélido nos EUA impulsionou os preços do trigo nas bolsas americanas na última sexta-feira. Em Chicago, os contratos futuros com vencimento em maio encerraram a sessão a US$ 5,2825 por bushel, valorização de 6,5 centavos de dólar. Em Kansas, onde o cereal de melhor qualidade é negociado, os lotes com o mesmo vencimento subiram 8,5 centavos de dólar, a US$ 5,1725 por bushel. A avaliação é que a massa polar do Ártico que alcançou o território dos Estados Unidos pode ter prejudicado alguns campos de trigo sem a cobertura de neve - o que costuma proteger as plantas -, afirmou a consultoria Farm Futures. Além disso, a possível redução da área plantada com trigo nos EUA na próxima safra dá força às cotações. No Paraná, o preço médio subiu 0,1% na sexta-feira, para R$ 885,19 por tonelada.
 

Café: Movimento técnico: Os fundos que investem no mercado de café realizaram lucro na última sexta-feira. Na bolsa de Nova York, os lotes de café arábica com entrega para maio recuaram 220 pontos, cotados a US$ 1,0680 por libra-peso. No pregão anterior, a desvalorização do dólar frente ao real havia impulsionado as cotações. Do lado dos fundamentos, os investidores seguem atentos ao clima no Brasil, maior produtor e exportador global. O tempo seco e as temperaturas altas registradas em janeiro afetaram os cafezais. Havia previsão de chuvas nas regiões produtoras da commodity no fim de semana, o que é positivo para as lavouras. No Brasil, o indicador Cepea/ Esalq para o café arábica em São Paulo ficou em R$ 415,64 a saca na sexta-feira, alta de 0,12%. Para o café robusta, houve leve baixa de 0,03%, a R$ 302,70 a saca. (Valor Econômico 04/02/2019)