Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Açúcar: Apoio do petróleo: O açúcar refinado subiu ontem na bolsa de Londres, dia de feriado nos EUA que paralisou as negociações das "soft" commodities. Os papéis do adoçante para agosto subiram US$ 3,60 e fecharam a US$ 362,70 por tonelada. O movimento dá sequência à alta de sexta-feira, quando os preços do açúcar refinado subiram para o patamar de US$ 354,70 por tonelada. O movimento acompanhou a alta do petróleo. Ontem, o Brent atingiu o maior patamar em três meses. Em Nova York, os preços do açúcar demerara apresentaram recuperação na última semana, acompanhando o mercado do fóssil e ainda refletindo a rolagem de posições dos fundos. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo subiu 0,64%, para R$ 68,85 a saca de 50 quilos.

Cacau: Altas no radar: Os contratos de cacau subiram na bolsa de Londres ontem. O movimento segue a tendência verificada na semana passada em Nova York, quando as cotações avançaram em quatro dos cinco pregões. O mercado americano ficou fechado devido ao feriado de Dia do Presidente. Os contratos da amêndoa com vencimento em maio subiram 18 libras na bolsa europeia e fecharam a sessão a 1.778 libras a tonelada. Na Costa do Marfim, os relatos são de alta taxa de entrega de cacau nos portos. Na Nigéria, porém, a chegada de ventos do Harmattan preocupa, porque podem gerar problemas para a safra. Em Gana, o problema é a falta de chuvas regulares. Em Ilhéus, o preço médio ao produtor ficou em R$ 140 a arroba, mesmo valor da sexta-feira, segundo a Central Nacional de Produtores.

Café: Sem variação: O café robusta fechou ontem sem variação de preços na bolsa de Londres em relação à última sexta-feira. Os papéis com vencimento em maio fecharam a US$ 1.555 por tonelada. Segundo o analista Thiago Cazarini, da Cazarini Trading Company, a falta de movimentação é reflexo do feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos, que paralisou as operações no país e teve efeitos em outros mercados no mundo. De qualquer forma, a gestora de risco brasileira Pharos, especializada em café, informou em relatório que as cotações do café robusta em Londres já vinham tendo pouca oscilação. No período de 11 a 15 de fevereiro, a queda registrada foi de 0,07%. No mercado doméstico, o indicador de café robusta Cepea ficou em R$ 304,51 a saca de 60 quilos, queda de 0,15%.

Soja: EUA e China em foco: Sem negociações na bolsa de Chicago em virtude do feriado americano do Dia do Presidente, o mercado doméstico de soja ficou sem diretrizes. Sem novidades nos fundamentos de oferta e demanda, a tendência é que as negociações com o grão sejam pautadas pelo avanço das conversas entre Estados Unidos e China. Segundo Tarso Veloso, da ARC Mercosul (AgResource), caso a China se comprometa a comprar entre US$ 30 bilhões e US$ 40 bilhões de soja americana, os estoques dos EUA - atualmente em patamar recorde - se reduziriam e haveria espaço para novas valorizações em Chicago. O mercado segue atento ainda ao desenvolvimento da safra brasileira. No país, o indicador Esalq BM&FBovespa para a soja em Paranaguá ficou em R$ 77,78 a saca de 60 quilos, baixa de 0,06%. (Valor Econômico 19/02/2019)