Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Açúcar: Outra vez: Projeções de excedente de oferta pressionaram os contratos de açúcar demerara na sexta-feira em Nova York. Os contratos para março caíram 12 pontos, a 13,30 centavos de dólar a libra-peso. Relatório da Organização Internacional do Açúcar (OIA) avaliou que "o superávit exportável da Índia excede 2 milhões de toneladas, o que pode ser superado pela liberação de algumas milhões de toneladas de açúcar dos estoques". Na semana passada, a Associação das Usinas de Açúcar Indiana (ISMA) projetou queda de 14% na produção de açúcar para a próxima safra. Para a OIA, não está claro qual deverá ser a produção da Índia na próxima temporada. No Brasil, o indicador do açúcar cristal Cepea/Esalq em São Paulo ficou em R$ 60,19 a saca de 50 quilos, recuo de 0,94%.

Café: Samba de uma nota só: Depois de acumularem ganhos de 695 pontos até quarta-feira e alcançarem o maior valor desde novembro, os contratos de café arábica voltaram a cair em Nova York na sexta-feira. Os papéis para setembro fecharam a US$ 1,1150 por libra peso, queda de 255 pontos. As cotações foram pressionadas pelo aumento de 11,4% na produção de café na Colômbia em junho na comparação anual. Além disso, o Rabobank estimou que os estoques brasileiros do grão em março somavam 18,8 milhões de sacas, 3,7 milhões de sacas a mais na comparação anual, o que levou o banco a ampliar a estimativa de produção de arábica no país em 2018/19 em 4,31% para 45,9 milhões de sacas de 60 quilos. No Brasil, o indicador de café arábica Cepea/Esalq ficou em R$ 443,63 a saca, recuo de 1,73%.

Soja: Desafinado: Vendas semanais americanas de soja abaixo do esperado levaram a soja a fechar em queda na sexta-feira na bolsa de Chicago. Os contratos para agosto recuaram 13,75 centavos, a US$ 8,76 o bushel. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) informou que o volume vendido na semana até 27 de junho foi de 867,6 mil toneladas, ante 168,2 mil toneladas a semana anterior. "Quando se exclui a China, as vendas externas de soja foram fracas", afirmou Terry Reilly, da corretora Futures International, à agência Dow Jones Newswires. Tirando as vendas à China, que foram de 607,3 mil toneladas, o volume ficou em 260,3 mil toneladas. No Brasil, o indicador de soja Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 79,56 a saca de 60 quilos para o grão em Paranaguá, recuo de 1%.

Milho: Trevo de 4 folhas: Apesar das fracas exportações de milho dos Estados Unidos na última semana, as cotações do grão fecharam em alta na bolsa de Chicago na sexta-feira, diante das incertezas com a próxima safra americana. Os contratos para setembro subiram 2 centavos, a US$ 4,3875 o bushel. Em nota, Jack Scoville, diretor da Price Futures Group, disse que "há possibilidade de que o tempo frio neste outono pegue boa parte da safra antes de ficar madura e ainda mais volumes sejam perdidos" além da redução de área que muito traders e analistas acreditam que tenha acontecido. Nas próximas sessões, o mercado deve especular com as próximas projeções do Departamento de Agricultura do país (USDA). O indicador de milho Esalq/BM&FBovespa ficou em R$ 37,29 a saca de 60 quilos, queda de 1,43%. (Valor Econômico 08/07/2019)