Macroeconomia e mercado

Notícias

Commodities Agrícolas

Algodão: Vai melhorar: Com as lavouras americanas em boas condições e da persistência das disputas comerciais entre EUA e China, os preços do algodão recuaram ontem na bolsa de Nova York. Os contratos com vencimento em outubro caíram 210 pontos, a 63,03 centavos de dólar a librapeso. Em nota, o analista Keith Brown, da consultoria DTN, sediada no Minnesota, lembrou que, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), até 7 de julho 54% das lavouras do país estavam em condições boas ou excelentes, 2% acima da semana anterior e 13% acima do resultado do ano passado para o período. E o clima dá sinais de melhora também nos próximos dias. Em Mato Grosso, a arroba da pluma tem sido negociada entre R$ 82 e R$ 85, de acordo com informações do Imea/Famato.

Soja: Demanda chinesa: Os sinais de boa demanda da China por soja americana, apesar dos reflexos negativos nesse mercado derivados da epidemia de peste suína africana no país asiático, deram sustentação às cotações do grão ontem na bolsa de Chicago. Os contratos do grão com vencimento em agosto subiram 7 centavos), para US$ 8,86 o bushel. O escritório do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) em Pequim previu que as importações chinesas de soja deverão ficar em 84 milhões de toneladas nesta safra 2018/19, abaixo das 85 milhões projetadas em junho mas acima do volume esperado pelos analistas. Em 2019/20, estimou o USDA, serão 83 milhões. Em Mato Grosso, a saca de 60 quilos vem sendo negociada por entre R$ 60 e R$ 70, segundo o Imea/Famato.

Milho: Clima nos EUA: A melhora das condições das lavouras de milho nos Estados Unidos e o clima mais favorável ao desenvolvimento da cultura no país abriram espaço para a queda dos preços do cereal ontem na bolsa de Chicago. Os contratos com vencimento em setembro recuaram 7 centavos, a US$ 4,325 o bushel. Relatório de acompanhamento de safra do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) mostrou que, apesar das recentes intempéries, 98% de 35,2 milhões de hectares já germinaram, ante 100% no ano passado. Desse total, 3% estavam em condições muito ruins até o último domingo, 9% em condições ruins, 31% em situação satisfatória, 47% em condições boas e 10% excelentes. No Paraná, a saca de 60 quilos continuou sendo negociado por uma média pouco abaixo de R$ 30, segundo o Deral.

Trigo: Pressão baixista: As boas condições das lavouras de trigo nos Estados Unidos pressionaram os preços do cereal ontem na bolsa de Chicago. Os papéis para setembro fecharam em queda de 8,25 centavos de dólar, a US$ 5,0275 o bushel. Em Kansas, onde se negocia o trigo de melhor qualidade, os papéis para setembro caíram 1,5 centavo, a US$ 4,3925 o bushel. A consultoria Farm Futures, de Nova York, disse que as classificações divulgadas pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) para os campos de trigo de primavera e inverno colocaram pressão sobre os preços do cereal. Na lavouras de inverno, a área em boas condições até o último domingo era de 47% do total, enquanto a área em condições excelentes passou a 17%. No Paraná, a saca de 60 quilos saiu, em média, por R$ 46,48, segundo o Deral. (Valor Econômico 10/07/2019)