Setor sucroenergético

Notícias

Postos a venda

A Raízen procura um comprador para a Petróleo Sabbá, distribuidora de combustíveis do grupo no Amazonas.

A companhia prefere entregar os 200 postos para um concorrente e reduzir sua presença naquela região a ter de engolir os seguidos prejuízos da rede. Já são quatro anos seguidos no vermelho. (Jornal Relatório Reservado 21/12/2015)

 

Czarnikow eleva previsão de déficit global de açúcar em 15/16 para 8,2 mi t

A empresa de negociação de commodities Czarnikow elevou nesta quinta-feira sua previsão de déficit global de açúcar em 2015/16 para 8,2 milhões de toneladas, ante 4,1 milhões em projeção realizada em agosto.

Com sede em Londres, a Czarnikow afirmou que o aumento do déficit se deve principalmente à queda na produção do centro-sul do Brasil, onde o tempo úmido tem afetado o rendimento da indústria. (Reuters 17/12/2015)

 

Açúcar: Oferta apertada

As projeções de que a oferta global de açúcar será mais apertada na atual safra voltaram a sustentar os preços do produto na bolsa de Nova York na última sexta-feira.

Os contratos futuros de açúcar bruto com entrega para maio fecharam a 14,71 centavos de dólar por libra-peso, alta de 32 pontos.

Na última quinta.-feira, a trading inglesa Czarnikow elevou a estimativa para o déficit global de açúcar de 4,1 milhões de toneladas para 8,2 milhões de toneladas.

A principal razão para a mudança foi a menor produção de açúcar no Centro-Sul do Brasil, confirmada pelas novas projeções da Conab, também foram divulgadas quinta-feira.

No mercado brasileiro, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 81,69 a saca na sexta-feira, avanço de 0,4%. (Valor Econômico 21/12/2015)

 

Commodities Agrícolas

Açúcar: Oferta apertada: As projeções de que a oferta global de açúcar será mais apertada na atual safra voltaram a sustentar os preços do produto na bolsa de Nova York na última sexta-feira. Os contratos futuros de açúcar bruto com entrega para maio fecharam a 14,71 centavos de dólar por libra-peso, alta de 32 pontos. Na última quinta.-feira, a trading inglesa Czarnikow elevou a estimativa para o déficit global de açúcar de 4,1 milhões de toneladas para 8,2 milhões de toneladas. A principal razão para a mudança foi a menor produção de açúcar no Centro-Sul do Brasil, confirmada pelas novas projeções da Conab, também foram divulgadas quinta-feira. No mercado brasileiro, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 81,69 a saca na sexta-feira, avanço de 0,4%.

Café: Movimento técnico: O movimento técnico de cobertura de posições vendidas levou as cotações do café arábica a fecharem em alta na bolsa de Nova York na última sexta-feira. Os contratos futuros da commodity com vencimento em março encerraram o dia a US$ 1,19 por libra-peso, valorização de 70 pontos. De acordo com analistas, o movimento de cobertura de posições vendidas ocorreu depois de os preços terem registrado queda moderada na quinta-feira, em reação ao relatório da Conab que elevou a estimativa para a colheita de café no ciclo 2015/16, de 41,15 milhões de sacas para 43,24 milhões de sacas. No mercado interno, os preços do café arábica também recuaram. O indicador Cepea/Esalq para o grão ficou em R$ 480,74 a saca na sexta-feira, alta de 0,8%. No acumulado deste mês, a valorização é de 3,2%.

Algodão: Empurrão do dólar: Os preços do algodão dispararam na última hora de negociação na bolsa de Nova York na sexta-feira, recuperando parte das perdas acumuladas nas últimas seis sessões. Os lotes para maio subiram 67 pontos, a 64,46 centavos de dólar a libra-peso. Embalados pela queda do dólar ante diversas moedas, os traders cobriram posições vendidas, em um movimento contrário aos fundamentos. Nos EUA, as exportações continuam fracas e podem levar o Departamento de Agricultura do país (USDA) a reduzir a projeção para os embarques. Até o dia 10, foi vendido 51,5% do que o USDA estima que serão exportados nesta safra, ante 76,8% na média das últimas cinco safras. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para a pluma com pagamento em oito dias seguiu em R$ 2,2409 a libra-peso na sexta-feira.

Soja: Clima seco: As preocupações com o clima seco que afeta algumas regiões produtoras de soja do Brasil e os sinais de demanda firme pelo grão dos EUA puxaram os preços da oleaginosa na sexta-feira. Os contratos futuros com vencimento em março encerraram a sessão a US$ 8,9275 por bushel, alta de 15 centavos de dólar. De acordo com analistas, os investidores estão receosos com a previsão de chuvas fracas no Centro-Oeste do Brasil, que podem prejudicar o desenvolvimento das lavouras. Além disso, exportadores seguem fechando novos contratos. Na sexta-feira, foi a vez de uma negociação envolvendo mais de 220 mil toneladas para entrega na atual na safra 2015/16, conforme o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). O indicador Esalq/BM&FBovespa em Paranaguá para a soja ficou estável em R$ 80,79 por saca. (Valor Econômico 21/12/2015)