Setor sucroenergético

Notícias

Biocom vai produzir em Angola 256 mil toneladas de açúcar em 2020

A empresa Biocom anunciou que vai produzir 256 mil toneladas de açúcar até 2020 o que permitirá assegurar 50 por cento das necessidades de consumo da população de Angola.

A Biocom, empresa com capitais da brasileira Odebrecht e das angolanas Cochan e Sonangol, vai produzir durante a corrente campanha 47 mil toneladas de açucar, praticamente o dobro da primeira colheita, escreve o Jornal de Angola.

Da produção de cana-de-açúcar no Pólo Agro-Industrial de Kananda, Malanje, em Cacuso, vão ser extraídos 16 mil metros cúbicos de etanol e produzidos 155.000 megawatts de energia eléctrica.

A Biocom que produz açúcar, etanol e energia eléctrica derivada de cana-de-açúcar possui uma área produtiva superior a 80 mil hectares.

A colheita de 2016 deverá atingir mais de 530 mil toneladas de cana-de-açúcar.

A Biocom representa actualmente o maior investimento privado de Angola, fora do sector petrolífero.

Com um investimento de 750 milhões de dólares, a Biocom é a primeira empresa angolana a produzir açúcar cristal branco, etanol e energia a partir da biomassa ou bagaço da cana-de-açúcar.

Na colheita 2015/2016, a Biocom produziu 24.770 toneladas de açúcar, 10.243 metros cúbicos de etanol e gerou 42.000 megawatts de energia eléctrica.

Para o período 2016/2017, a produção vai ser de 47 mil toneladas de açúcar, 16 mil metros cúbicos de etanol e garantir a produção de 155 mil megawatts de energia.

Para 2020/2021, quando atingir a capacidade máxima de produção da primeira fase, vão ser produzidos para além de 256 mil toneladas de açúcar, 235 mil megawatts de energia eléctrica e 33 mil metros cúbicos de etanol. (Macauhub 22/07/2016)

 

Áreas de café e cana do Brasil devem ter clima frio, mas sem geadas

A previsão meteorológica para as próximas duas semanas em Minas Gerais e São Paulo, dois dos principais Estados produtores de café arábica e cana-de-açúcar do Brasil, aponta para temperaturas frias, mas bem acima de níveis congelantes, de acordo com o Reuters Weather Dashboard.

As temperaturas nos Estados de grãos no Sul do Brasil, Rio Grande do Sul e Paraná, devem cair na sexta-feira, mas ficarão acima do ponto de congelamento nas áreas agrícolas.

O órgão local de metereologia Somar diz que as áreas agrícolas não devem enfrentar mais geadas até o final de julho.

Áreas isoladas nas regiões produtoras de cana e café tiveram geada na segunda-feira, mas o mercado de futuros apenas anotou o evento climático, após os estragos às lavouras parecerem limitados. (Reuters 21/07/2016)

 

Açúcar: Demanda firme

As cotações do açúcar registraram alta ontem na bolsa de Nova York, sustentada por sinais de que a demanda permanecerá firme.

Os contratos com vencimento em março fecharam a 19,81 centavos de dólar por libra-peso, com valorização de 28 pontos.

Segundo um trader que atua no segmento, estatais de Irã e Egito compraram ontem 60 mil e 150 mil toneladas, respectivamente.

A China, por sua vez, divulgou que voltou a ampliar suas importações da commodity em junho. Foram 369,2 mil toneladas, 54% mais que no mesmo mês do ano passado.

Mesmo assim, no acumulado do primeiro semestre o volume caiu 42%, para 1,3 milhão de toneladas.

No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq para a saca de 50 quilos do açúcar cristal registrou alta de 0,57%, para R$ 86,60. (Valor Econômico 22/07/2016)

 

Fila de navios para embarcar açúcar aumenta de 34 para 38 na semana

O total de navios que aguardam para embarcar açúcar nos portos brasileiros aumentou de 34 para 38 na semana encerrada na quarta-feira, 20, segundo levantamento da agência marítima Williams Brazil.

O relatório considera embarcações já ancoradas, aquelas que estão ao largo esperando atracação e também as que devem chegar até o dia 17 de agosto. Foi agendado o carregamento de 1,51 milhão de toneladas de açúcar.

A maior quantidade será embarcada no Porto de Santos (SP), de onde sairão 1,11 milhão de t, ou 74% do total. O terminal da Copersucar deve embarcar 294,75 mil toneladas. No da Rumo, são 638,49 mil t; no Teag, 149,25 mil t; e no da Noble, 31,50 mil t. Já Paranaguá responderá pelos 26% restantes (397,56 mil t).

A maior parte do açúcar a ser embarcado é da variedade VHP, açúcar bruto de alta polarização, com 1,42 milhão de toneladas. Outras 83,80 mil toneladas são de cristal B-150, carregado ensacado. (Agência Estado 21/07/2016)

 

Usina Cerradão tem ganho de 7% em tempo de transbordamento de cana

O ganho é resultado do uso de transbordo de alta capacidade.

Recentemente, a Usina Cerradão, localizada no município mineiro de Frutal, adquiriu um transbordo de 21 mil toneladas e o inseriu em uma frente de colheita a fim de realizar testes para comprovar a eficiência dessa nova tecnologia. Os resultados, segundo o gerente de produção agrícola da Unidade, Michel Fernandes, não poderiam ter sido melhores.

Ele explica que, com apenas um transbordo de alta capacidade, em vez de dois com capacidades medianas, o tempo de cada transbordamento caiu cerca de 50 segundos, um ganho de 7%. “Se no final de cada dia, esse tempo resulta em uma diferença monstruosa em retorno para o CCT (Corte, Carregamento e Transporte), imagine ao final de uma safra.”

Antes da adoção da tecnologia, uma das preocupações da Usina era relacionada a um possível aumento de consumo de diesel por parte dos tratores. Porém, essas inquietações se mostraram infundadas, já que esse aumento foi de apenas 3%. “Esse valor acaba sendo compensado devido aos ganhos no tempo de carga e descarga na usina.”

Como afirmado, a Cerradão conta, atualmente, com apenas uma frente de colheita que já usufrui dos benefícios dos transbordos gigantes. Porém, Fernandes afirma que, quando chegar a hora de renovar as frotas, mais desses implementos de alta capacidade serão adquiridos. (Cana Online 21/07/2016)